Páginas

sexta-feira, 6 de junho de 2008

Eu sempre tive a certeza de que a maturidade não seria algo fácil,
eu e Poia viviamos repetindo que crescer dói...
Desde criança tive tudo nas mãos,
mimada, fútil aos extremos.
Não culpo ninguém por ter crescido dessa forma,
pelo contrário,
cada ser tem sua indóle, independente do meio
que conviva.
Tenho passado por situações e dias difíceis,
mas continuo cheia de sonhos e esperanças...
Desanimo, desabo, me tranco calada num
mundo que só eu vou ser capaz de reconstruir
e cedo ou tarde,tenho certeza que a vida vai dar
mais uma imensa volta...
aquela vozinha lá no fundo teima em repetir
que TUDO VAI DAR CERTO!

"Já não posso reclamar do mal e das coisas que não vem,
encarar de frente o vendaval, como uma coisa que provém
de uma LUZ MAIOR!
O tempo apaga, o que o tempo escreve,
o tempo cura, o que o tempo fere,
as NOSSAS procuras ao de ter um fim,
as NOSSAS perguntas tem respostas SIM."

Nenhum comentário: